Representatividade da mulher negra no cinema nacional

A representatividade e o trabalho das mulheres na produção cinematográfica será o destaque do painel “Realizadoras Negras no Cinema Nacional”. Dois nomes reconhecidos no cenário brasileiro integrarão o painel: Camila de Moraes, diretora do documentário “O Caso do Homem Errado”, e Sabrina Fidalgo, premiada realizadora carioca. O painel acontecerá no sábado, 17 de agosto, no Garimpo Hub – Pitanga Filmes (Av. São Paulo, 895), das 13h30 às 14h30. O BS Festival 2k19, acontece de 16 a 18 de agosto, em Porto Alegre, e é realizado pelo Black Sheep Project e Grupo Austral. Neste ano o slogan é “A Ovelha Negra dos Festivais”.

Tanto Camila quanto Sabrina se destacam no cinema nacional, elevando a produção afro aos holofotes. Camila de Moraes foi a segunda mulher negra a entrar no circuito nacional comercial com um longa-metragem após 34 anos, sucedendo Adélia Sampaio, que estreou na área em 1984. O longa de Camila esteve na lista dos pré-selecionados pelo Ministério da Cultura para o Oscar 2019. Ela também dirigiu o curta-metragem A escrita do seu Corpo, que trata justamente sobre a questão da identidade racial e de gênero através da poesia, entre outras produções dessa gaúcha que se mudou há nove anos para Salvador.

O trabalho de Sabrina também é estrelado e premiado. Seus filmes já foram exibidos em mais de 300 festivais nacionais e internacionais, inclusive em cidades como Nova Iorque, Tóquio, Cabo Verde, Berlim, entre outras. Nesse ano a revista americana “Bustle” indicou o nome de Sabrina em oitavo lugar como uma das 36 diretoras de todo o mundo que estão mudando paradigmas em seus países. Ela realizou curtas como “Sonar 2006 – Special Report” (2006), “Das Gesetz des Staerkeren” (2007), “Black Berlim” (2009), “Cinema Mudo” (2012) e “Personal Vivator” (2014) e o documentário de media-metragem “Rio Encantado” (2014), além de uma série de videoclipes. O seu media-metragem “Rainha”, de 2016, acumulou 13 prêmios.

Além desse painel, o BS Festival 2k19 abordará a diversidade e a representatividade negra em diversos momentos da sua programação. A intenção é tornar o evento cada vez mais democrático, inclusivo e questionador. Além do Grand Opening, sexta, 16, com a presença de Karol Conka, ainda terá a recrutadora na ThoughtWorks Brasil, Juliana Oliveira, com a palestra “Enegrecer: construindo caminhos para a diversidade racial na tecnologia” e a professora e produtora cultural da Malê Produções, Luciana Dornelles,para falar sobre o projeto Empoderadas IG, que luta por uma educação antirracista e visa empoderar e resgatar a autoestima de jovens de escola pública..